QUANDO O ESCRITOR É ANFITRIÃO DA PRÓPRIA CIDADE